quarta-feira, 17 de junho de 2020

MAIS UMA? MAIS UM?


Na Estação aglomeravam-se pessoas à espera de uma condução que as levaria a destinos diversos. Alguns cabisbaixos, outros falantes entre si. Diferentes em seu modo de vestir, de falar, de olhar.

Aguardavam a partida para um rumo definido. Cena que se repete por um largo tempo de vida de cada um daqueles passageiros. A eles interessa chegar ao destino o mais rápido possível. Pela manhã, para cumprir obrigações. À noite, para um retorno merecido. Um descanso junto aos seus. Um tempo que dura vinte e quatro horas. Um tempo em que a luz e a escuridão conversam.

Conversam, assim como fazem os passageiros daquela Estação. Algumas vezes, bem alegres com a própria luz e com uma escuridão bordada pelo luar. Outras, cabisbaixos, tristes, difíceis até de serem reconhecidos por quem os espera, diariamente, e daqui de baixo os procura no infinito.

Outra Estação, a Espacial Internacional, é bem menos tomada por seres, porque apenas três astronautas por lá permanecem. Construída a partir de cifras na casa dos trilhões, encontra-se, silenciosamente, aguardando a visita de outros três astronautas, num sistema de revezamento.

Que tristeza!

Uma tristeza que deveria tomar conta de cada um dos seres que habita este nosso planeta. Tristeza de que tamanho investimento deposite-se numa Estação que navega no espaço e que nada acrescenta a já nossa combalida Terra.

Ela será visitada por uma cápsula de passageiros chamada Crew Dragon. Dragon seria a figura de um dragão, um monstro fabuloso que é representado por garras, asas e cauda de serpente. Crew seria a tripulação composta por dois astronautas.

Não cabe, aqui, mencionar quem financiou esta cápsula, tampouco a anterior ou anteriores que lá estiveram. Searas em que o poder político e econômico são prevalentes, em detrimento do bem-estar de todos nós, habitantes deste planeta.

Recentemente, no dia 6 de janeiro do corrente ano, foi anunciada a descoberta de novo planeta do tamanho da Terra, que está a 100 anos-luz de distância e está sendo chamado de “TOI 700d”.

Alguns pesquisadores indicam a possibilidade deste planeta ser coberto por oceanos e com uma atmosfera densa, dominada por dióxido de carbono. Outros, ainda supõem ser este planeta uma versão da Terra, porém sem oceanos.

Quer dizer, ninguém sabe nada ainda. Somas incalculáveis serão gastas para chegarem a uma possível e viável conclusão.

Assim, alguns governos deste nosso planeta continuarão gastando para obterem a primazia do descobrimento.

Claro, tudo bem diferente dos descobrimentos de terras distantes sobre o solo do nosso planeta.

Viajar por mares nunca dantes navegados: é uma coisa.

Viajar pelo infinito do firmamento: é outra coisa.

Os problemas, que afligem os habitantes desta nossa amada Terra, são infinitos. Requerem conscientização, aprimoramento de técnicas, união de povos, solidariedade e investimento em pessoas e recursos para o enfrentamento de graves situações de saúde, de meio ambiente, de educação e de conhecimento acadêmico de elevado nível.

Mais uma Cápsula viajando para o infinito?

Mais um Planeta?

Mais? Pra quê?

Que nossas Estações daqui, da nossa cidade, sejam pontos de encontro para trocas de cumprimentos, de ideias, enquanto aguarda-se aquele coletivo que nos conduzirá ao nosso destino com segurança.

Ah! Que o tempo de espera não seja longo e que os órgãos fiscalizadores funcionem.

Que, por aqui, baste uma Estação no nosso Planetário, pois ele pode nos oferecer imagens que despertem o poder criador de seus espectadores.

Ou, quem sabe, haja um poeta por lá que possa transformar aquelas imagens em momentos de raro prazer poético, devolvendo aquele espetáculo em palavras tecidas com a imaginação e a sensibilidade de quem parece ter por lá, no infinito, passeado, sem nunca ter lá estado.

Agora! Se for para brincar com a imaginação, acho que, a exemplo do nosso poeta Manuel Bandeira com o seu conhecido e sempre lembrado poema VOU-ME EMBORA PRA PASÁRGADA, poder-se-ia imaginar este outro que segue e que, ao final de forma oposta, não admite reis, nem as benesses daqueles amigos do rei.




De verdade, o que esta simples poeta busca neste planeta Terra ou naquele outro, apenas imaginário, que não custa bilhões para lá alguém aportar, a exemplo deste recém-descoberto, é um momento de descanso para retomar a vida pulsante depois de por lá ficar durante o sono. É o que nos oferece este outro poema, publicado em 2009, pela Editora Litteris do Rio de Janeiro, que, a partir de um concurso literário, escolheu poemas que fizeram parte do livro UMA VIAGEM PRA PASÁRGADA. Esta publicação somou-se às homenagens prestadas ao poeta Manuel Bandeira, durante a sétima edição da Festa Literária de Paraty.



Amigos, por fim, convenhamos que apenas um REI reinará sobre um único REINO.

E para este o ingresso será gratuito.










Nenhum comentário: