quinta-feira, 26 de dezembro de 2019

IMPORTANTES PARCERIAS



Quando Belinha buscava com o olhar aquela lua distante, o que via eram montanhas e um relevo que alimentavam sua imaginação.

Carecia daquela sensação de perseguir o desconhecido ou, melhor ainda, de criar imagens que a faziam sonhar com um Universo palpitante. Seus olhos buscavam alimentar-se de beleza: aquela que também almejava atingir.

Seus olhos sempre buscaram alimento no céu. Aquele alimento que apazigua o espírito, que embala sonhos, que cria, transforma e recria imagens que dão mais vida ao cotidiano. Um alimento desprovido de qualquer toxina: um alimento saudável.

Assim como a luz de um luar, que penetra o nosso olhar, todas aquelas outras luzinhas, tão distantes, apontam caminhos possíveis num céu totalmente estrelado.

Como não se deixar invadir por todas estas luzes benfazejas! São puro alimento para o despertar de nossas emoções ou, apenas, para propiciar momentos de paz interior: um alimento difícil nos dias atuais. À noite, podemos ter este prato gratuito. Claro, quando a Senhora Natureza assim permite. Belinha gosta por demais deste alimento, pois lhe possibilita sonhar de olhos abertos, contemplando a beleza desta parceira que lhe acompanha há um bom tempo.

Já com o outro parceiro, que brilha intensamente, ela o considera extremamente importante, mas o respeita, pois olhá-lo fixamente, por algum tempo, pode não ser bem entendido, pois sua excelência é considerado rei. Daí, a dificuldade em fixar o olhar diretamente em sua majestade, Reconhece, porém, que ele é um alimento imprescindível a sua saúde física e, igualmente, gratuito.

Belinha considera estes dois alimentos necessários para um viver equilibrado. Aquele em que os atropelos diários possam ser melhor enfrentados, mantendo-se a saúde física e mental.

Belinha refere-se apenas a ela e ao Universo onde sua morada encontra-se: um invisível ponto localizado em outro minúsculo ponto, um pouco maior, é verdade.

Ela, que necessita sobreviver com uma relativa qualidade de vida, precisa da luz desses dois importantes parceiros. Aquela luz fria e a outra quente, controlada, auxiliam Belinha a sobreviver sonhando e tendo energia para encarar a passagem dos dias, das noites e do tempo medido, por nós mortais, como término de um ano e início de outro.

Belinha tem como exemplo a seguir os movimentos dos girassóis.

Eles sobrevivem graças ao movimento que executam, voltando-se sempre em direção ao Sol. O heliotropismo, conhecido por este nome, é o que buscam constantemente e ele significa a autossobrevivência para esta espécie vegetal. A cada amanhecer buscam a sua fonte de vida.

Isto lembrou Belinha do que move os homens a cada início de um novo ano. Ultrapassá-lo, na expectativa de que será um ano melhor do que o anterior e que sonhos, transformados em projetos, se concretizem. Este é o desejo de todos nós.

Acredito que, da mesma forma que os girassóis, devemos perseguir uma melhor forma de sobrevivência, buscando aquilo que a Natureza nos oferece, gratuitamente, para que alcancemos, com saúde física e mental, os objetivos que traçamos ao longo dos anos já percorridos.

Portanto, que o ano que se aproxima seja ultrapassado com o firme propósito de alcançarmos uma continuidade dos sonhos que nos alimentam o cotidiano.

Que a emoção de uma noite enluarada possa servir de companhia, mesmo que solitários indivíduos parem para contemplá-la.

Que o astro-rei ilumine nossos horizontes nos dando força para os embates, acaso aconteçam.

Que a Natureza nos sirva de exemplo com seus ciclos definidos e produtivos, cujos frutos revelam uma colheita satisfatória.

Que sigamos em frente, certos de que as emoções, que nos acalentam, serão bem-vindas, pois fruto de seres humanos capazes de aquecerem seus corações com um belo luar.

E os seus corpos? Ao Sol radiante, que promete força física, desde já, agradecem pela energia fornecida gratuitamente.

Belinha acredita num 2020 pleno de luares e aquecido por sua majestade: o Sol.

O que importa, na verdade, é que, buscando estas parcerias, recebamos suas benesses.

Aproveitemos estes momentos de parceria e construamos pontes entre os amanheceres e os anoiteceres: tudo que nos possibilite transpor as barreiras do cotidiano com mais leveza.







sábado, 14 de dezembro de 2019

LINGUAGENS UNIVERSAIS



Mergulhe o olhar no céu. Isabela o vê, agora, todo azul. Esta será, também, sua cor em tantos outros lugares do planeta. É uma cor reconhecida por qualquer pessoa, em qualquer lugar deste nosso mundo. Despertará, a quem se detiver a olhá-lo, uma sensação de imensidão capaz de levar a imaginação a criar mundos diferentes, conforme cada olhar.

O céu, porém, é o mesmo e a cor, também. Em alguns lugares, poderá parecer estar fechando-se, dada a aproximação de uma tempestade.

Ele é reconhecido por qualquer habitante deste planeta e exercerá, conforme sua apresentação, uma sensação de paz, tranquilidade ou, até mesmo, de receio ou medo.

O importante é que sua mensagem é decodificada por qualquer habitante desta Terra que nos abriga. É universal a sua mensagem.

Como também é universal a sonoridade das sete notas musicais que existem, bem como seus tons maiores ou menores. Um dó maior ou um ré menor serão sempre percebidos e diferenciados pelo ouvido humano, independentemente de qual sociedade os esteja recebendo.

Assim, também, a sonoridade encerra uma mensagem universal. Todos a compreendem, bem como os ritmos que a acompanham.

Esta qualidade estende-se a quem se manifesta através da música. Tornar-se executante de um instrumento que apresente uma sonora melodia, sob um ritmo convidativo, que desperte o desejo de dançar, ou que apenas leve o ouvinte a relembrar sensações já experimentadas, é extremamente salutar para quem executa como também para quem se vê mergulhado em momentos de euforia ou de êxtase.

Assim como o futebol, esporte que é planetário, universal em suas regras, agregador em suas torcidas e revelador de famosos nomes e de grandes equipes, a música tem, igualmente, este condão de tornar o solista, os músicos que compõem uma orquestra e seu maestro: pessoas reconhecidas pela sociedade e responsáveis pela preservação das grandes obras musicais e das que vão surgindo ao longo do tempo.

Assim como o sol que carrega consigo a fonte de energia e está a brilhar sempre em algum lugar, a audição musical é uma fonte inesgotável de benefícios para quem ouve, bem como para quem executa.

Agora, imaginem o benefício maior ainda que existe quando os instrumentos musicais são confeccionados a partir do lixo reciclado. É o que vem acontecendo na Escola Pública Municipal de Ensino Fundamental Judith Macedo de Araújo, localizada no Morro da Cruz, zona leste de Porto Alegre, desde 2015, graças ao trabalho da Professora de Música Michelle Cavalcanti.

O Grupo de Música, que leva o nome da escola, é coordenado pela dedicada professora e composto por seus alunos que transformam garrafas, panelas, canos de PVC, bombonas e pedaços de ferro em instrumentos que apresentam diversas sonoridades, ao lado de flautas e violões que fazem parte de seu currículo de aprendizagem instrumental.

Vejam que a sonoridade obtida poderia ser apreciada por qualquer indivíduo, em qualquer parte do planeta, pois algumas dessas composições, tocadas pelo grupo de alunos instrumentistas, são de autores clássicos como Bach e Mozart, bem como autores nacionais.

Este Projeto de Educação Musical envolve em torno de 70 alunos, cujas idades variam entre 7 e 16 anos, funcionando no turno inverso às aulas. Crianças e adolescentes que celebraram estes 5 anos de participação no Projeto, apresentando, no Concerto Anual, o espetáculo NÃO SOLTA A MINHA MÃO, no último dia 5 de dezembro, no Teatro Renascença.

Este Concerto do Grupo de Música Escola Judith Macedo de Araújo é a prova que, através da música, podemos ser reconhecidos e nos reconhecermos como futuros cidadãos envolvidos com práticas do bem viver, afastados das constantes tentações que corroem os valores que dignificam uma sociedade.

Os esportes e a música são linguagens universais, por isso agregadoras, quando bem conduzidas por pessoas preocupadas com o amanhã desses jovens e do planeta.

O espetáculo deste ano, que teve como tema NÃO SOLTA A MINHA MÃO, revela a importância de levar a emoção à plateia através das melodias, agregando, igualmente, um recado, por demais importante, que é a manutenção deste Projeto.

À Secretaria Municipal de Educação fica o pedido de que mantenha e apoie este Projeto, pois ele traz inúmeros benefícios a uma sociedade tão carente de valores.

NÃO SOLTA A MINHA MÃO é um pedido para que ele permaneça como um elo entre o agora e o amanhã, sendo este último uma recompensa pelas boas práticas fornecidas por uma educação que aposta numa sociedade pautada por valores éticos, morais e de um conhecimento amplo que aborde diversas habilidades e competências.

Parabéns ao Projeto Musical desenvolvido por esta escola.

Parabéns à Professora que o coordena, bem como à Equipe de Direção desta escola.

A sociedade e o meio ambiente agradecem por esta iniciativa.















segunda-feira, 2 de dezembro de 2019

UMA PALAVRA QUE FAZ A DIFERENÇA


Após tantas cenas impactantes, tantos momentos em que o tempo de um antes e um depois pode ser o fim de um caminhar, em que o olhar pode representar um desafio, enfrentado antes que a clareza se estabeleça e permita o diálogo, todos esses breves instantes tornaram-se parte da rotina de todos nós.

Sempre existiram, dirão alguns. Muitos outros, porém, observam um recrudescimento e um avolumar-se de situações extremamente estressantes. Poder-se-ia dizer que vivenciamos, hoje, uma passagem do tempo mais rápida, porque carente de harmonia, de encantamento, de prazer estético.

Percebe-se, salvo raras exceções, que os seres nascidos nestes novos tempos não mais pousam o olhar sobre a vida pulsante que a natureza nos oferece como espetáculo diário: tudo isto gratuitamente. O céu que nos cobre, as árvores que enfeitam nossas ruas, a chuva mansa que molha nossas vidraças, o som do vento acariciando nossos ouvidos, o sol que ilumina nossos dias, a lua, companheira noturna que, com o seu séquito de estrelas, embala nosso sono e que, também, é parceira de momentos amorosos que se guardam na memória: tudo isto é possível se pudermos nos adaptar aos avanços tecnológicos sem abandonar o puro prazer estético.

Para todos aqueles que percebem o impacto negativo que a carência dessas cenas acarreta a um viver cotidiano mais harmonioso, sugere-se que sejam resilientes e busquem no canto dos sabiás, pousados nas árvores que enfeitam nossas ruas, o reiterado esforço de seres que teimam em cantar, exaustivamente, para alertar os demais companheiros ou conquistar a amada, pousada logo ali, que aguarda o convite para juntos saírem voando para bem longe ou, quem sabe, para aquele caramanchão já tão conhecido. Ele que fica naquele terreno baldio: pronto para acolhê-los.

Ah! Quando o silêncio fizer parte do cenário: respeite-o. No silêncio, dizem, é que acontecem os melhores momentos a dois.

Para quem não teme a idade e encontrou nela momentos de realização pessoal, tudo é possível. Como exemplo, temos aquele cidadão de 65 anos de idade, português de nascimento, que corre de um lado para o outro, na beira do campo, gritando, dando ordens e sendo exemplo de competência e obstinação. Nem precisamos dizer seu nome. Todos sabem.

Da mesma forma obstinada, poder-se-ia citar nomes consagrados na música, na regência, no canto, na literatura e nas artes em geral.

O foco, porém, não são os nomes. O foco é o que os move, o que os mantêm firmes, com objetivos definidos e plenos no ato de criar, transformando as desilusões e agruras em páginas motivadoras para um viver cotidiano mais prazeroso.

Há uma palavra que, com certeza, faz parte do universo pessoal de cada um.

Resiliência é o seu nome.

A patronesse da Feira do Livro de Novo Hamburgo, edição 2019, é um exemplo dessa capacidade de ser resiliente às dificuldades que deve ter enfrentado ao longo de todo este tempo de vida. Isto, porém, não foi empecilho para que mantivesse seus sonhos vivos, indo sempre em busca de oportunidades de desenvolvimento pessoal. No alto de seus 103 anos de idade, Maria Emília de Mendonça acaba de publicar seu primeiro livro.

Sim, seu primeiro livro. Por que não? Um sonho que se tornou realidade. Histórias que compõem uma trajetória de vida. Com certeza, suas experiências servem de exemplo e motivação para os seus próximos, que são muitos, pois teve 7 filhas, e para os demais que lerem as narrativas literárias que fazem parte de sua biografia cujo título é Encontro das Águas. Possuidora de uma memória privilegiada, que permanece igual, diga-se de passagem, para fatos recentes. Surpresa pela indicação de seu nome, afirmou:

“Eu acho que vou ter que escrever outro livro para contar essa história maravilhosa”.


Uma palavra, tão em voga, serve para qualificar figuras que despontam no cenário cotidiano e que servem de exemplos a tantos outros desconhecidos que compõem este tecido social, por ora, tão fragilizado. Um tecido que parece romper-se a todo instante e que vai exigir que esta palavra seja usada constantemente. Embora diante de um quadro preocupante, um ser resiliente é capaz de readquirir o equilíbrio emocional suficiente para fazer frente a todo o tipo de pressão.

Acredito que, de verdade, um ser resiliente, que é ter esta capacidade de manter uma visão positiva diante da vida e dos percalços que ela proporciona, torna-se mais resistente fisicamente.

Entenda-se que ser resiliente também é adaptar-se aos avanços da tecnologia, embora não deixando que a tela fria possa assenhorear-se do nosso olhar humano que enxerga o semelhante como um irmão e, portanto, capta pelo olhar as emoções que os unem, que os fazem humanos e não máquinas ou meros olhares robóticos. É o que se almeja construir através da leitura, de uma educação inclusiva, humanizada e redentora: capaz de verter lágrimas de felicidade pelo encantamento com o belo e com a natureza que nos cerca. Tudo objetivando alcançar as mais variadas áreas do conhecimento.

Que o firmamento, esse ainda desconhecido, continue servindo de inspiração, pois a curiosidade e a imaginação criadora lá irão encontrar motivos para o desabrochar de cientistas, músicos, poetas, escritores, artistas e todos os demais que, cá embaixo, resistem, através da sua capacidade de resiliência, à destruição dos sonhos e das capacidades humanas em prol do bem comum.








sábado, 12 de outubro de 2019

MAIS LONGE? OU... MAIS PERTO?


O que busca o nosso olhar?

Os movimentos do corpo podem até ser rápidos, porém o olhar é seletivo e se detém naquilo que lhe é mais familiar. Viveu pouco, mas já tem referenciais que prendem a sua atenção.

Na outra extremidade, temos outro olhar, também mais seletivo, mais necessitado do que já observou, viveu e sedimentou em uma lembrança que lhe acompanha, trazendo momentos de paz interior.

O olhar que busca, atrás da cortina, o presente prometido é o mesmo olhar, acredito, que já descobriu o que lá existia, mas que, mais uma vez, quer lembrar a magia daquele momento e abraça o ursinho que enfeita a sua cama. Ele é o que seu olhar reteve de mais puro naquele tempo passado. E uns versos surgem no embalo desta lembrança. 


Hoje, passados tantos anos, há como que uma volta na postura do que busca este sábio olhar.

Tornou-se menos saltitante. Busca o que de menos efêmero existe, pois só assim poderá estender seu olhar por mais tempo sobre aquilo que representa um maior tempo de existência. Pois, estamos a falar do tempo que passou àquele que ocupa o seu olhar agora.

O tempo, que intermediou estes dois momentos, foi extremamente diversificado, dividido, sobrecarregado a tal ponto que o olhar foi incapaz de selecionar a necessária paz interior, tal a profusão de focos diferenciados.

A resposta à pergunta inicial traz a certeza que somos, com o passar dos anos, cada vez mais semelhantes ao que fomos quando o nosso olhar era tão seletivo ao ponto de apenas buscar o seio materno.

A idade traz a sabedoria com o acréscimo de um olhar mais pacífico, mais seletivo, menos célere: mais infantil no sentido da sua busca pelo olhar do outro, como uma fonte que alimenta.

Acredito que o próprio tempo tenha possibilitado esta volta no tempo que nos permite voar, não contra o tempo, mas de forma mágica através dos seres, dos fatos, dos momentos guardados na lembrança que nos aproximam da criança que fomos.

Hoje, estamos mais perto do que fomos ontem.

Seria uma volta no tempo que robustece a ideia de que somos eternos. Apenas, para não perder a graça, voltamos de tempos em tempos para curtir novos tempos, pois gostamos de exercer essa constante proximidade da criança com alguém “mais experiente”.

Voltar a ter um olhar de criança é apaziguador.

Aliás, saudemos nossa criança interior neste Dia das Crianças!

Por que não?








segunda-feira, 7 de outubro de 2019

QUANDO O AMOR FAZ A DIFERENÇA


A premiação é o coroamento de um amor que iniciou quando a mãe, adotiva, o recebeu em seu colo. Um menino que nascera com 500 gramas, fruto de uma gestação de apenas 5 meses, interrompida por uma tentativa de aborto. Vários casais haviam rejeitado uma possível adoção deste ser. Um bebê deficiente visual com este pregresso histórico teria alguma chance? Sim, ele teve.

O amor, que o conduziu até os atuais 12 anos de idade, é de ser enaltecido. Ainda, aos 5 anos, foi diagnosticado com um autismo leve. Nada impediu a caminhada deste ser, porém.

Uma forte ligação e um profundo amor têm sido os determinantes que fizeram com que Nickollas alcançasse a possibilidade de alegrar-se, de sentir-se partícipe, de vibrar, de ter suas emoções positivas preservadas. Que bom ter, sem mesmo ver, aquela que o embalou, que o acariciou nos primeiros meses de vida. Que bom existir Silvia, aquela que substitui até a visão do Nickollas pela também narração do que vê, presencia, sente e, também, vibra.

Embalada por esta possibilidade e, após verificar que ouvir apenas os jogos pelo rádio não o satisfazia, o que mais queria era escutar a torcida, presente no entorno, decidiu começar a levá-lo aos estádios de futebol.

Resolvera-se a falta de torcida, pois, agora, Nickollas estava junto a ela. Não satisfeita, Silvia tratou de imitar os narradores que depositam emoção a cada lance. Também ela, a partir desta prática junto ao Nickollas, conseguiu transmitir a emoção que cerca uma partida de futebol. Emoção pura!

Silvia, sendo palmeirense, frequenta os estádios em que o Palmeiras se faz presente. A estreia de mãe e filho deu-se em 2012, no estádio do Pacaembu.

Uma pequena digressão cabe aqui.

Uma tela de celular ou de um notebook será capaz de transmitir toda a emoção que se faz presente num estádio? Mesmo tendo todos perfeita visão? A frieza de uma tela, a falta de interagir com o semelhante, a possibilidade de as emoções acumuladas serem drenadas, este conjunto não seria um bom motivo para que se frequentem mais os estádios? Perdendo ou ganhando, acredita-se que esta interação pode ser benéfica, desde que os exageros sejam coibidos por aqueles que têm esta função.

Nickollas está certo. O estádio repleto transmite a ele as emoções das quais precisa. Ele, também, as tem, embora, por vezes, adormecidas. Este jovem de 12 anos ainda concilia os estudos frequentando a 5ª série de um colégio inclusivo em São Paulo.

Esta dupla de mãe e filho em estádios de futebol, torcendo pelo Palmeiras, time do coração de Silvia, é reconhecida desde algum tempo.

Agora, Nickollas acaba de receber o título de Torcedor do Ano da FIFA. O troféu foi entregue na Festa de Gala da FIFA, o FIFA THE BEST, no Teatro Alla Scala, em Milão, na Itália.

Silvia, lá também, descreveu a festa de entrega e quem estava presente: autoridades, jogadores, torcedores, ídolos. Enalteceu o esporte, em especial o futebol, como algo que deve ser, também, inclusivo. Dedicou o prêmio a todos os torcedores que “torcem” pela pessoa com deficiência. E, claro, estava ali representando todos os brasileiros que possuem alguma deficiência.

Pois é!

O amor faz toda a diferença.

E o barulho da torcida? Completa o cenário.

Precisamos nos sentir vivos, partícipes, unidos. Só assim desenvolveremos nossas capacidades, pois o nosso semelhante tem muito a nos dar, se soubermos captar, por algum dos sentidos, nossas semelhanças e possibilidades de realização pessoal. Nossos aplausos a esta mãe tão amorosa e a este filho: fruto do momento em que amarrou seu coração ao de Nickollas, palavras de Silvia ao descrever o momento de tê-lo no colo pela primeira vez.




Silvia Grecco e seu filho Nickollas. Reprodução/Instagram