domingo, 1 de setembro de 2019

SUPERAÇÃO!


Como não se emocionar!

Emocionantes cenas que se repetem, nos dias que sucedem a Abertura dos Jogos Parapan-Americanos de Lima, neste ano de 2019. Nesta edição, participaram 1890 atletas, competindo em 17 modalidades esportivas e representando 33 países.

Desde a Cerimônia de Abertura, com porta-bandeira de Brasília, a delegação brasileira vem apresentando resultados extraordinários na conquista de medalhas.

O nosso melhor desempenho em Jogos
Paraolímpicos ocorreu em 2016, no Rio de Janeiro. Naquela Paraolimpíada conquistamos 72 medalhas, sendo 14 de ouro, 29 de prata e 29 de bronze.

Em 1960, a cidade de Roma sediou os 1ºs Jogos
Paraolímpicos.

Já faz um tempo.

A emoção, porém, permanece para quem assiste a tantos desafios superados por pessoas que não se deixaram abater por deficiências físicas e paralisias cerebrais. Buscaram, no esporte, a superação de suas deficiências, encontrando a realização pessoal. Conquistaram, como indivíduos, uma posição de destaque na sociedade a qual pertencem, trazendo aos seus países o orgulho de representá-los de forma exemplar.

E aqui se registre a importância de ser um medalhista, independentemente de que seja de ouro, prata ou bronze essa sua conquista.

Nesta Parapan-Olimpíada obtivemos o melhor desempenho até hoje, conquistando o 1º lugar entre os países que competiram, somando 308 medalhas, sendo 124 de ouro, 99 de prata e 85 de bronze.

Já somos tetracampeões. Em especial na Natação e no Atletismo o Brasil destacou-se, conseguindo o maior número de medalhas nestas modalidades.

Na Natação, todos se superaram, apresentando excelentes desempenhos. Vale a pena referir que, entre todos, destacou-se Daniel de Faria Dias que conseguiu 33 medalhas de ouro, tendo 100% de aproveitamento.

Diante deste evento acontecendo em Lima, lembro-me de duas crônicas, datadas de 27/08/12 e de 20/09/12, onde estão descritas atuações de jovens com alguma deficiência que, superando este obstáculo, apresentaram desempenhos invejáveis.

A primeira crônica referida, CAMINHEMOS TODOS JUNTOS, demonstra a superação de seres, considerados deficientes, mas que ganharam prêmios no Festival de Gramado, através do filme
COLEGAS, todos eles protagonistas e portadores da Síndrome de Down. A segunda, ENCILHANDO..., na cerimônia de encerramento das Paraolímpiadas de Londres, um cavalo de ferro, mecânico, bem como uma profusão de alegorias em metal e ferro traz a nossa lembrança os times de cadeirantes jogando basquete e o futebol7.

Da mesma forma, nestes Jogos Parapan-Americanos de 2019, tivemos verdadeiros ginetes dominando suas cadeiras e atingindo as cestas e as redes adversárias.

Que exemplos de excelência em seus desempenhos. Como não nos emocionarmos!

Eles, ganhadores, verteram lágrimas de emoção, de felicidade. Nós, de igual maneira, nos emocionamos ao vê-los emocionados por vencerem os obstáculos, perseguindo seus objetivos e os alcançando.

Ah! O Hino Nacional Brasileiro nunca foi tão executado, ouvido e compartilhado por todos que participaram, no pódio, destes momentos inesquecíveis, bem como pelos compatriotas presentes ou por aqueles que, embora distantes, assistiam àquelas cenas comoventes através das transmissões televisivas.

E o gostinho de “quero mais”?

Em 2023, a cidade de Santiago, no Chile, sediará os próximos Jogos Pan-Americanos.

Agora, Os Jogos Olímpicos de 2020, no Japão, serão, com certeza, igualmente inesquecíveis para todos aqueles atletas que lá comparecerem. Todos eles moldados por muito treino, mas não sendo este o principal requisito. No caso desses para-atletas, o que os move é: obstinação, determinação, inspiração, igualdade, solidariedade, persistência e superação de desafios constantes.

E o que mais impressiona?

A alegria estampada em seus rostos, como o da nossa Joaninha ou 
Joana Maria Jaciara da Silva Neves Eusébio, detentora de 5 medalhas de ouro. Ressalte-se que, mesmo quando não alcançam uma medalha, a alegria permanece, pois todos são atletas de alto rendimento. Competir em alto nível já é uma recompensa e um motivo para seguir em busca de um resultado melhor a cada nova competição.

O nosso aplauso ao plantel de atletas brasileiros, cujas lesões físicas, extremamente severas, não são empecilho para suas conquistas pessoais. 


Rumo ao Pentacampeonato no Chile!



Daniel Dias se emociona após mais um ouro para o Brasil!


Joana Jaciara leva outro ouro e dedica ao sobrinho!


Cerimônia de abertura dos Jogos Parapan-Americanos 2019.










domingo, 11 de agosto de 2019

RECORDAÇÕES

Um parque, do qual guardo tantas boas recordações, merece meu constante passeio dominical. Como esquecê-lo! Quando ainda pequena, passeava com o pai por entre suas veredas, tendo sido registrados estes instantes em fotos que se conservam em álbuns, resistindo ao tempo como saudosa lembrança.

Ele fez parte de histórias vividas por antigos porto-alegrenses que cresceram passeando por entre seus caminhos de um puro verde acolhedor.

E assim se manteve, bem mais tarde, quando ainda serviu de um lugar acolhedor para quem não desfrutava de um sol intenso e carecia de jogar conversa fora com a mãe já idosa, ambas sentadas em antigos bancos, até hoje existentes, marcando presença como a desafiar a poeira que o tempo traz aos mobiliários antigos.

Hoje, vê-los ainda íntegros satisfaz em parte a saudade daqueles momentos de convívio. Bancos num parque: todos com inúmeras histórias vividas por seus habituais visitantes.

Um domingo de agosto, com sol e música no Parque da Redenção, é tudo de bom para quem nasceu neste mês. E neste dia 11 de agosto, Dia dos Pais, este parque ainda é marcante, pois as lembranças afloram e comprovam que o tempo é o que resiste, sendo tudo na nossa caminhada. A sua percepção é o que nos mantém firmes e fortes.

Nosso olhar criança, embora distante, permanece na memória e traça nossa história individual naqueles primeiros tempos de vida.

E, seguindo assim, vamos acumulando momentos de olhares mais maduros, porém mais esperançosos, pois ela, a esperança, é que nos move avante.

Neste domingo, o olhar mais uma vez se deteve sobre aqueles bancos, sobre aqueles caminhos e renovou a esperança de que novos e luminosos agostos se somem a este.

A todos aqueles, que participaram destes meus antigos momentos, fica a minha eterna saudade.

Um belo domingo, uma data a ser comemorada, pois aqui estamos para reviver, pelas lembranças, tudo aquilo que a memória é capaz de guardar num tempo que se mostra íntegro para quem se detém a mantê-lo perenemente vivo e, igualmente, renovado a cada novo olhar durante a nossa caminhada.







segunda-feira, 5 de agosto de 2019

DESPACITO...


Depois de competir com uma lagartixa e uma flor, um Cuchimilco, ou um MILCO para simplificar, foi escolhido como mascote dos XVIII Jogos Pan-Americanos, um evento multiesportivo que tem como sede, neste ano de 2019, a cidade de Lima, no Peru.

A música, que encerrou a Cerimônia de Abertura da Competição, foi a conhecida Despacito. MILCO deve ter ficado muito feliz em, finalmente, tornar-se mais conhecido dos próprios peruanos atuais.

Quanto tempo passou-se desde a sua criação!

Herança da civilização Chancay, que habitou aquelas terras peruanas entre 1100 e 1470, antes ainda dos Incas, MILCO tem muita história para contar.

Há séculos, este artefato com características humanoides, feito em argila à época, tem sido encontrado em escavações, ao lado de restos mortais humanos. Este fato despertou a curiosidade de arqueólogos que interpretaram estes achados como sendo importantes nos ritos funerários daquela população. Verificaram ainda que sempre apareciam nas versões masculina e feminina, com os órgãos sexuais à mostra. Os pesquisadores, diante disso, imaginam que pudessem ser símbolos de fecundidade e fertilidade. Seus braços, sempre abertos, são vistos pelos estudiosos como um sinônimo de respeito aos deuses ou uma postura de oração.


Hoje, o MILCO dos Jogos Pan-Americanos tem os braços abertos como sinal de boas-vindas a todos os atletas que por lá passarem.

A peruana Andrea Medrano Moy, ilustradora e desenhista, confeccionou o MILCO, mascote que venceu a disputa entre uma lagartixa de nome Wayqi, que habita o deserto da costa peruana, e uma flor, típica do inverno de Lima, chamada Amantis. 


Segundo os arqueólogos, a escolha de MILCO, como mascote, favoreceu a divulgação entre os mais jovens da herança deixada pelos ancestrais que habitaram aquelas terras peruanas.

Segundo Walter Tosso, arqueólogo que dedicou os últimos 20 anos ao estudo dos achados do povo Chancay, este Pan-Americano, ao escolher MILCO como mascote, trouxe a lume aquilo que muitos peruanos desconheciam de sua própria história.

A beleza plástica da Abertura dos Jogos Pan-Americanos, que mostrou uma escultura com 20 metros de altura, em homenagem ao Monte Pariacaca, situado na Cordilheira dos Andes, próximo à cidade de Lima, foi uma excelente ideia.

Usaram com grande criatividade a escultura, pois houve representação da fauna, da flora, da cozinha peruana, inclusive transformada por último num grande tear onde se projetou um típico tecido peruano.

Os 6690 atletas participantes destes XVIII Jogos Pan-Americanos puderam, com visível alegria, representar a música oficial de Abertura Jugamos Todos.

A partir de agora, através da bela apresentação de Abertura, onde Lima expõe toda a sua cultura e riquezas, o Peru passa a ser bem mais do que as Ruínas de Machu Picchu.

Quem deve estar feliz é MILCO, mascote que tem dado boas-vindas a todos os que chegam à cidade-sede.

A música de encerramento, embora sua letra expresse forte sensualidade, seu título, por outro lado, lembra o tempo exato para que se conquiste um lugar de importância vital ao lado do ser desejado.

MILCO, sem dúvida, alcançou “DESPACITO”, após tantos séculos, seu lugar de destaque junto ao povo a quem, por tanto tempo, acompanhou até os últimos instantes por aquelas terras incas.


Jugamos Todos - Abertura dos Jogos Pan-Americanos 2019








domingo, 28 de julho de 2019

TÃO LONGE... TÃO PERTO...

E o encanto? Desapareceu?

Passaram-se cinquenta anos. Parece que foi ontem. Naquele 20 de julho de 1969, assistíamos àquela imagem de um pé que pisava aquele solo desconhecido.

Para os amantes, que se aninhavam sob sua luz acolhedora, restou uma sensação de perda de uma parceria silente, mas conivente com todas as cenas amorosas da época.

Ela sempre inspirou compositores, como Silvio Caldas e Orestes Barbosa, a transporem para melodias a sua presença quase física. Assim aconteceu com Chão de Estrelas em que a Lua, furando o zinco do barraco, salpicava de estrelas o chão, possibilitando que a amada pisasse nos astros distraída.

A partir da chegada do homem à Lua, teria ela perdido aquele apelo sensual que sempre acompanhou os momentos mais íntimos de tantos que dela se serviram para torná-los ainda “más calientes”.

Reconheço que o desconhecido traz sempre uma aura de mistério. Acredito, porém, que a sua luz e beleza são suficientes para, ainda, suscitar momentos de grande paixão. A imagem que decodificamos, a partir do olhar pessoal, é que dará a medida da sua relevância como partícipe de um enlevo amoroso.

Há quem, à época, musicasse uma letra que alertava ter chegado a hora de escrever e cantar, talvez, as derradeiras noites de luar: trecho da música Lunik 9, composta e gravada por Gilberto Gil.

A chegada à Lua não foi suficiente para matar o verso, como se questionava, pois o seu brilho não se desfez.

Havendo luz, brilho e tantas questões ainda não esclarecidas, a sua permanência no Universo, ainda não totalmente desvendado, continua sendo inspiradora.

Nossos olhos buscam-na como fonte de luz para iluminar momentos cálidos junto ao ser amado, ou mesmo no vazio da solidão, onde serve de parceria sempre que a sua luz, transformada em luar, espalha-se sobre um leito. Sua luz não foi diminuída pela pisada de Neil Armstrong em seu solo.

E o que interessa é a sua luz. Por vezes, esconde-se não por vontade própria, mas porque ela, também, segue as ordens do Universo.

Quando volta, porém, é com força total.

Despertou, desde sempre, vários letristas de músicas que se tornaram reconhecidas no meio musical internacional como Moonlight Serenade. Nesta conhecida melodia, o apaixonado aguarda no portão da casa da amada para recebê-la com uma canção de amor sob um luar inesquecível.

Pois é! Ao mesmo tempo, tão longe e tão perto!

Há pouco, novas imagens da Via Láctea foram disponibilizadas pela NASA, graças ao Observatório Chandra, instalado há 20 anos em solo lunar, na data de 23 de julho de 1999, levado pelo Ônibus Espacial Columbia.

Esperar mais o quê?

Há a possibilidade, atualíssima, quem sabe, de que o nosso instrumento mais recente de elucidação de dúvidas, o VAR, seja acionado para ver-se em que distância e movimentação giratória está o nosso satélite natural, considerando o planeta Terra.

Fazer blague é o que resta aos habitantes desta minúscula esfera, também giratória.

Apaixonados ainda existem por aqui. Não sei se a Lua ainda mantém este fascínio todo como dantes.

Nunca se sabe a reação de quem é relegado a uma menor importância. Daí, a necessidade de uma checagem. E nada melhor do que o VAR. Será?

Eu prefiro ficar com a antiga Lua. Aquela que invadia aposentos, que iluminava portões, que possibilitava, pela palavra e pela imagem, produções artístico-culturais relevantes.

E pra isto o VAR torna-se desnecessário.

Deixem-na quieta onde está. Deixem-na fazer parceria com os seus companheiros de Via Láctea. A ideia de Universo é, por demais, complexa. Usufruamos apenas dos momentos que estes corpos celestes nos oferecem, alternando dias e noites, luzes, trevas e claridades... O resto? Nossa imaginação constrói.





 Chão de Estrelas  - Silvio Caldas




Lunik 9 – Gilberto Gil


Moonlight Serenade – Frank Sinatra






segunda-feira, 15 de julho de 2019

SAUDADES? COMO NÃO TÊ-LAS!


Fernando Pessoa sabia bem que senti-las somente os portugueses conseguiam, porque tinham esta palavra para expressar que as tinham.

Seguindo este raciocínio, podemos concordar com este expoente maior da Literatura Portuguesa.

Assim, temos saudades que sempre serão boas e que se ajustam perfeitamente àquilo que queremos expressar. A saudade reveste-se de uma luz própria que emana de um sentimento guardado com carinho no recôndito do ser. Nesta palavra, concentra-se todo o significado do que queremos expressar ao dizê-la.

Ao senti-la sabemos, com certeza, qual a sua origem, o momento vivido, a realidade que foi aquele instante. A saudade repousa no real. Por isso, não pode ser questionada sua veracidade, pois faz parte da nossa interioridade afetiva que encontra, na saudade, o refúgio para amenizar nossa caminhada. Afinal, deixamos rastros de saudade por onde andamos e com quem interagimos.

Saudades do chafariz da Redenção! E já faz tempo que não mais esparge suas gotículas sobre os passeios próximos.

E a mão do avô dando adeus! Melhor quando chegava, batendo palmas no portão.

E o banco da praça onde descansava, após saltitar por entre as árvores.

E o beijo roubado, muito tempo depois, cujo gosto ainda traz saudade.

Bendita memória que nos permite relembrar com saudade os bons momentos vividos.

E os maus? Não é absolutamente território da saudade. Ela os repassa para a companheira lembrança que é muito mais completa e, por isso, talvez, menos feliz que a saudade.

Para a saudade bastam aqueles momentos que a deixaram existir como algo capaz de, no futuro, expressar com uma única palavra sentimentos positivos com relação a algo ou alguém. As lembranças, porém, são mais completas. Jamais serão, contudo, tão bem-vindas quanto a saudade: que se basta. As lembranças precisam de explicação, pois nem sempre são agradáveis.

Ao dizer “eu tenho saudade”, já prenunciamos um sentimento de felicidade.

E quando a letra da música diz “Chega de saudade”, é porque os momentos bons existiram e geraram uma saudade, que é sempre boa, mas que o apaixonado pretende extingui-la com a volta da amada, que será melhor ainda.

Saudade, bela palavra que exprime um sentimento bom de quem o experimentou e que deseja o seu retorno.



Daí, as diferenças entre a lembrança, que nem sempre é boa, e a saudade que é única e faz relembrar bons momentos ou, quando é possível, o retorno daqueles momentos que causaram tanta felicidade.

E é isto que o nosso criador da Bossa Nova, João Gilberto, violonista, compositor e cantor, que levou a música brasileira ao mundo com sua batida inconfundível ao violão, sob influência do jazz, de súbito nos impõe, isto é, um sentimento de saudade pela obra deixada com a sua marca.

Suas apresentações tornaram-se memoráveis junto ao Carnegie Hall, em Nova York, no México e Japão, apresentando-se, também, em vários países europeus como a Inglaterra, Espanha, Portugal, Bélgica Itália, Holanda, França, Suíça (Festival de Montreux).

Diante dessa saudade, que já desponta a partir da despedida desse divulgador de excelência da nossa música popular brasileira, volto a sentir também saudade daqueles momentos inesquecíveis da infância e de uma juventude que teve que abrir as porteiras desta vida desde muito cedo.

E é com saudade que relembro, também, momentos vividos junto ao companheiro que se foi, perdendo-se, ao longo dos dias, e sumindo na fumaça que o destruiu por completo.

Neste caso, não coube invocar o retorno dada a impossibilidade.

Pois é! Às vezes, as coisas assumem duas faces: a das lembranças e a das saudades. Eu teimo em ficar com a saudade, pois ela teve origem num grande amor.



João Gilberto e Caetano Veloso – Chega de Saudade