domingo, 1 de setembro de 2019

SUPERAÇÃO!


Como não se emocionar!

Emocionantes cenas que se repetem, nos dias que sucedem a Abertura dos Jogos Parapan-Americanos de Lima, neste ano de 2019. Nesta edição, participaram 1890 atletas, competindo em 17 modalidades esportivas e representando 33 países.

Desde a Cerimônia de Abertura, com porta-bandeira de Brasília, a delegação brasileira vem apresentando resultados extraordinários na conquista de medalhas.

O nosso melhor desempenho em Jogos
Paraolímpicos ocorreu em 2016, no Rio de Janeiro. Naquela Paraolimpíada conquistamos 72 medalhas, sendo 14 de ouro, 29 de prata e 29 de bronze.

Em 1960, a cidade de Roma sediou os 1ºs Jogos
Paraolímpicos.

Já faz um tempo.

A emoção, porém, permanece para quem assiste a tantos desafios superados por pessoas que não se deixaram abater por deficiências físicas e paralisias cerebrais. Buscaram, no esporte, a superação de suas deficiências, encontrando a realização pessoal. Conquistaram, como indivíduos, uma posição de destaque na sociedade a qual pertencem, trazendo aos seus países o orgulho de representá-los de forma exemplar.

E aqui se registre a importância de ser um medalhista, independentemente de que seja de ouro, prata ou bronze essa sua conquista.

Nesta Parapan-Olimpíada obtivemos o melhor desempenho até hoje, conquistando o 1º lugar entre os países que competiram, somando 308 medalhas, sendo 124 de ouro, 99 de prata e 85 de bronze.

Já somos tetracampeões. Em especial na Natação e no Atletismo o Brasil destacou-se, conseguindo o maior número de medalhas nestas modalidades.

Na Natação, todos se superaram, apresentando excelentes desempenhos. Vale a pena referir que, entre todos, destacou-se Daniel de Faria Dias que conseguiu 33 medalhas de ouro, tendo 100% de aproveitamento.

Diante deste evento acontecendo em Lima, lembro-me de duas crônicas, datadas de 27/08/12 e de 20/09/12, onde estão descritas atuações de jovens com alguma deficiência que, superando este obstáculo, apresentaram desempenhos invejáveis.

A primeira crônica referida, CAMINHEMOS TODOS JUNTOS, demonstra a superação de seres, considerados deficientes, mas que ganharam prêmios no Festival de Gramado, através do filme
COLEGAS, todos eles protagonistas e portadores da Síndrome de Down. A segunda, ENCILHANDO..., na cerimônia de encerramento das Paraolímpiadas de Londres, um cavalo de ferro, mecânico, bem como uma profusão de alegorias em metal e ferro traz a nossa lembrança os times de cadeirantes jogando basquete e o futebol7.

Da mesma forma, nestes Jogos Parapan-Americanos de 2019, tivemos verdadeiros ginetes dominando suas cadeiras e atingindo as cestas e as redes adversárias.

Que exemplos de excelência em seus desempenhos. Como não nos emocionarmos!

Eles, ganhadores, verteram lágrimas de emoção, de felicidade. Nós, de igual maneira, nos emocionamos ao vê-los emocionados por vencerem os obstáculos, perseguindo seus objetivos e os alcançando.

Ah! O Hino Nacional Brasileiro nunca foi tão executado, ouvido e compartilhado por todos que participaram, no pódio, destes momentos inesquecíveis, bem como pelos compatriotas presentes ou por aqueles que, embora distantes, assistiam àquelas cenas comoventes através das transmissões televisivas.

E o gostinho de “quero mais”?

Em 2023, a cidade de Santiago, no Chile, sediará os próximos Jogos Pan-Americanos.

Agora, Os Jogos Olímpicos de 2020, no Japão, serão, com certeza, igualmente inesquecíveis para todos aqueles atletas que lá comparecerem. Todos eles moldados por muito treino, mas não sendo este o principal requisito. No caso desses para-atletas, o que os move é: obstinação, determinação, inspiração, igualdade, solidariedade, persistência e superação de desafios constantes.

E o que mais impressiona?

A alegria estampada em seus rostos, como o da nossa Joaninha ou 
Joana Maria Jaciara da Silva Neves Eusébio, detentora de 5 medalhas de ouro. Ressalte-se que, mesmo quando não alcançam uma medalha, a alegria permanece, pois todos são atletas de alto rendimento. Competir em alto nível já é uma recompensa e um motivo para seguir em busca de um resultado melhor a cada nova competição.

O nosso aplauso ao plantel de atletas brasileiros, cujas lesões físicas, extremamente severas, não são empecilho para suas conquistas pessoais. 


Rumo ao Pentacampeonato no Chile!



Daniel Dias se emociona após mais um ouro para o Brasil!


Joana Jaciara leva outro ouro e dedica ao sobrinho!


Cerimônia de abertura dos Jogos Parapan-Americanos 2019.