sexta-feira, 24 de junho de 2022

OLHARES...


O movimento da cortina esconde alguém que olha o vizinho ao lado. Da janela próxima, alguém satisfaz sua curiosidade, mesclando audácia e uma imaginação propensa à criação de cenas possíveis.

Ao caminhar, aquela senhora olha com atenção para quem está próximo. Também, por vezes, olha para trás, pois nunca se sabe...

O enfrentamento dentro e fora dos estádios propicia olhares de raiva, menosprezo, indignação, capazes de desaguarem em uma corrente de agressões verbais ou físicas.

Os olhares cansados de quem aguarda atendimento, em filas de postos de saúde, são o retrato do descaso para com o nosso bem maior.

O olhar de quem se sentiu tocada, sem tê-lo permitido, é de repulsa e indignação.

Ah! Mas tem o olhar do bebê que se sentiu protegido. A mãe carinhosa sabe reconhecê-lo no instante em que ambos os olhares se encontram.

Hoje, mais do que nunca, a ida a um caixa eletrônico é uma aventura. Cuidemos, portanto, dos olhares que nos seguem, nos observam.

Ah! Tem o olhar do “pet” que pede carinho e, é claro, alimento.

Ao dono do “pet” compete alimentá-lo e, também, afagá-lo. Afinal, seres vivos necessitam dessa comunicação afetiva.

Tem o olhar que nos questiona, nos surpreende, nos emociona e até nos atrai.

Resta distingui-los para afastá-los ou recebê-los com carinho. Ou, também, para interpretá-los como algo saudável ou danoso.

Emocionante é aquele olhar que não vê, mas que enxerga através do olhar amoroso de quem exerce essa função, trazendo a alegria para aquele deficiente visual.

Este é o exemplo que nos foi passado, tempos atrás, por Silvia Grecco, mãe de Nickollas.

Pois, no último sábado, dia 18 de junho, outra mãe extremosa narrou o jogo entre Santos e Bragantino. O resultado foi um empate de 2 a 2. Seu filho Matheus, torcedor do Santos, pôde acompanhar o jogo graças à narração feita pela mãe.

Olhares que motivam, que auxiliam, que substituem aqueles outros incapazes de verem, de assistirem, de interagirem por deficiência visual.

Olhares que pousam sobre roupas, atiradas ao chão, naquele canto da esquina, e se sensibilizam ao saberem que seres humanos ali deitam à noite.

Olhares que, também, enxergam o belo na árvore que balança seus galhos sobre a calçada, ao assistirem o voo dos sabiás, ao verem o Sol e a companheira Lua, enfeitando nosso céu, coberto por estrelas em noites de luar.

Quantos olhares, que substituem palavras, enfrentamos no nosso dia a dia.

Até o sorriso podemos demonstrar com o nosso olhar.

Que bom será se, nesses difíceis tempos, pudermos manter nosso olhar em busca, sempre, de imagens que embelezem nosso cotidiano.

Desviemos de olhares agressivos, invejosos, dissimuladores.

Saibamos perceber o quão importante é um olhar humano encontrar-se com outro humano olhar.

Por trás desta imagem, encontraremos um sentido maior e mais verdadeiro para encontros de quaisquer tipos.






sexta-feira, 10 de junho de 2022

NOSSO TEMPO



Passe o olhar sobre o drama.

Repouse o olhar sobre a grama.

Não se deixe atingir por tamanha lama.

 
Esperar dos dias atuais o quê?

Abrir os olhos ao amanhecer é um presente, uma dádiva.

E isto não é o menos: é o mais.

A partir desse instante, construa o seu dia.

Olhos e ouvidos nos permitem vivenciar todos os momentos que forem surgindo.

Como não se encantar com um céu azul permeado por algumas nuvens que passeiam por lá?

E se o céu estiver plúmbeo?

Também, conterá uma chuva benfazeja. Aquela que alimenta nossas lavouras, que supre nossos rios, pois também eles são importantes.

Tudo o que nos cerca é importante. Tanto positivamente, quanto negativamente.

Aos aspectos negativos, exijamos providências. Aos positivos, desfrutemos de suas benesses.

Percebamos a necessidade do silêncio para, muitas vezes, aquietarmos nossa mente e, apenas, trocarmos pensamentos com o nosso eu. Aquele que devemos manter a salvo de tantos dramas.

Embora não devamos ser omissos, a nossa participação não deve ficar refém. Caso contrário, o prejuízo poderá ultrapassar alguns limites necessários para o bem viver cotidiano.

Observar mais o chão por onde pisamos, com certeza, trará surpresas. O leve sacudir das folhas da árvore da calçada é, por vezes, visitada pelo passarinho que vem ali cantar seu bom-dia.

Quanta beleza nos cerca!

Basta que tenhamos olhos para vê-la, para ouvi-la, para senti-la.

A agressividade, a intolerância e a criminalidade, que nos cercam, devem ser combatidas por quem detém essas funções.

Que o nosso meio ambiente também seja preservado!

Afinal, por aqui estamos presentes e dependentes desse cuidado. Portanto, a responsabilidade é comum a todos e a fiscalização também deve se fazer presente.

Assim, como uma brisa que vem e que passa, sigamos buscando aquilo que de melhor nossos olhos e ouvidos puderem encontrar.

 
Quero-te ao meu lado.

Meu amor eterno.

As saudades repousam no olhar guardado

De momentos tão ternos.

 
Não esqueçamos, porém, que o TEMPO PRESENTE é o que nos move e, nele, nosso ser deve transitar de forma serena para que consigamos observar todas as belezas que nos rodeiam.

E elas, ainda, existem.

Do passado, trazemos as lembranças.

O futuro? A ninguém é dado conhecer.

O PRESENTE é o momento que vivemos. Nossos sonhos, se viáveis, já podem tornar-se realidade.

Basta que, mentalmente, nos preparemos para este feliz desfecho. E ele, com certeza, virá.

Enquanto isso...

Use seu olhar, conforme sugere o poema abaixo.










quinta-feira, 19 de maio de 2022

MAIS?




Quantas mais?

Tempos atrás, elas eram aplicadas nas crianças após o nascimento. Algum tempo depois, quando estas crianças já estavam em idade escolar, repetia-se o procedimento.

Somos pobres habitantes que enfrentamos a própria saúde em perigo, estando o planeta, que nos acolhe, igualmente, em processo visível de desequilíbrio.

Ah! Aquele céu maravilhoso, que ainda assim se apresenta, não é mais objeto de olhares curiosos e indagadores. A imaginação, de então, comprazia-se em refletir, criando momentos de enlevo, de sedução, de um sonhar acordado.

Hoje, os olhares repousam sobre frias telas que, muitas vezes, fornecem imagens de atitudes humanas deploráveis.

Onde restou o sonho?

Sobre quais imagens repousamos nossos olhos?

Elas, as vacinas e telas, tornaram-se a prioridade em nosso cotidiano.

Um olhar poético repousa sobre imagens de quaisquer fontes. Cabe a este olhar revestir tais imagens de forma envolvente e que abrace o leitor, motivando-o a permanecer esperançoso e capaz de dialogar com o seu semelhante de forma amistosa, buscando sempre um novo olhar.




E aquelas outras?

Nem direi seus nomes.

Ainda bem que permanecemos com os olhos libertos para que possamos continuar olhando para o céu e para tantos outros olhares que se cruzam com os nossos.

Tempos que perderam o encantamento?

Encantar-se é necessário, é o que torna ameno o nosso cotidiano, é o que nos mantém esperançosos.

Nosso olhar e voz são comunicadores que nos propiciam interagir com o semelhante que conosco convive ou com aquele que cruzamos no nosso dia a dia.

Sigamos por este caminho.

É o melhor caminho para que mantenhamos nossa condição de seres humanos em evolução.

 

 

 

 

 

 

sábado, 23 de abril de 2022

SOMOS BEM MAIS...


A folhinha é carregada com esforço, pois ela é bem maior de quem a carrega.

Aquela formiguinha avança em direção a sua casa. A toca, escondida embaixo do madeirame naquele pátio, é o destino final e seguro para aquela comidinha. Quantos alimentos já existirão por lá?

Quantas companheiras serão beneficiadas com este novo alimento?

Do lado de cá, o olhar de Belinha acompanha este movimento da formiguinha.

Sempre disseram à menina que nunca pisasse em uma formiguinha. E este conselho sempre a acompanhou.

Belinha ainda continua respeitando este ensinamento.

Hoje, porém, encontra seres iguais a si deitados sobre as calçadas. Estes seres não possuem nem tocas para se abrigarem.

O que está acontecendo?

São seres dotados de corpo, mente e emoções. Ao que parece, apenas o corpo é que ainda sobrevive. Será?

Belinha acredita que as emoções estão presentes. A mente faz parte destes seres, como todos nós, semelhantes que somos. O que seus pensamentos revelariam?

Belinha gostaria muito de saber por que aquele olhar de súplica lhe é lançado quando passa.

Chegaram “ao fundo do poço”?

Oportunidades para saírem dessa situação existiram?

Eu, conhecida de Belinha, acredito que sim.

Diferentemente daquela formiguinha, a capacidade desses seres é passível de uma reviravolta que dispensaria uma toca, mas que exigiria um esforço mental para uma tomada de posição.

Somos seres criados à imagem e semelhança DELE. Portanto, plenamente capazes de tomar as rédeas do nosso destino, criando as condições ideais para a nossa sobrevivência.

Somos bem mais do que aquela formiguinha.

As calçadas estão longe de serem a toca que é a casa daquela formiguinha.

Que diferença de comportamento! Uma sai em busca do alimento, esforça-se para carregá-lo e o leva para a sua casinha.

Faltaria esforço, força de vontade, persistência para encontrar as possibilidades existentes?

Será?

Muitas vezes, sim.

Em outras, falta o respaldo que o Estado poderia dar.

Em situações familiares em que inexiste, desde sempre, a possibilidade de apoio, incentivo e respaldo financeiro, o representante governamental da sociedade é quem deveria assumir esta lacuna.

Somos bem mais que animais, porém dependemos uns dos outros para alcançarmos objetivos. E, quando a família não tem as mínimas condições para tanto, o Estado é o detentor desta obrigação.

Afinal, impostos não faltam.

Caso contrário, a sociedade que compõe este Estado é quem arcará com os resultados negativos. A pobreza, a drogadição, os pequenos delitos e, logo mais adiante, os crimes é que farão parte do cotidiano dessa sociedade. Sem esquecermos, é claro, daqueles seres voltados ao crime por opção de vida. Para tanto, a punição deverá se fazer presente.

Há que se exercer nossa capacidade de reação por sermos seres humanos. Por conseguinte, capazes de elaborar estratégias e exigir providências de nossos representantes.

Ah! Os poetas, com seu olhar criativo, repassam as mazelas dessas imagens impactantes!



Esta realidade, porém, deve ser transformada. Caso contrário, passaremos, todos nós, a perder o status de seres humanos dotados de valores que nos mantenham nessa escala humana evolutiva.

Os olhos de Belinha assistem, pela televisão, o nível de agressividade que está acontecendo nos campos de futebol. Torcidas que não respeitam mais os limites da sadia convivência.

Será que, ainda, somos seres em EVOLUÇÃO POSITIVA, considerando todos os povos neste cenário global?

O TEMPO trará uma resposta?

Novamente, o olhar poético encontra o caminho como resposta.








 

 

 

 

 

 

 

sábado, 26 de março de 2022

MINHA PORTO ALEGRE!



Brindemos os 250 anos da Fundação da Cidade de Porto Alegre.

É uma satisfação ter nascido em uma cidade que me acolheu com alegria, já expressa em seu nome.

Desembarquei, em um agosto gélido, mas fui acolhida com alegria pelos pais e por esta bela cidade.

Cuidemos, com o empenho de todos nós, munícipes, que esta alegria se mantenha por tantos e tantos anos que venham a se suceder.

Um Feliz Aniversário, minha cidade querida!

 

 









domingo, 13 de março de 2022

AGUARDEMOS MUDANÇAS


A dúvida persiste sobre tudo e sobre todos.


A incerteza preenche os dias. E a desunião é o que mais salta aos olhos.

Para amenizar tivemos a 13ª Edição dos Jogos Paraolímpicos de Inverno.

A bela Cerimônia de Encerramento ocorreu hoje, em Beijing, na China.

Foram 9 dias de Jogos Paraolímpicos. Um congraçamento de vários povos ali representados por seus atletas. Quarenta e seis países e seus comitês participaram desses Jogos.

O show pirotécnico de despedida lembrou as ondas do tempo e as chamas que se altearam em corações para emoção de todos que assistiram.

Ficou a emoção e o reconhecimento aos inúmeros voluntários que colaboraram nesse evento.

Comprovou-se que, durante os Jogos, as diferenças não foram fatos de separação, mas de união.

Os próximos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos acontecerão na Itália, no inverno de 2026, nas cidades de Milano e Cortina D’Ampezzo.

O que esperar até os próximos Jogos?

Momentos difíceis, incertos e diante dos quais nossa força mental, em acreditar no amanhã, terá que ser refeita a cada amanhecer.

Sem discorrer, aqui, sobre o flagelo que acomete o Planeta nesses dois últimos anos, informações de especialistas na área são díspares.

Como acreditar?

Como percorrer os caminhos mais confiáveis?

Os habitantes deste Planeta sofrem com a manipulação de informações.

Alguém se encontra plenamente seguro sobre o que o cerca?

Pelo avanço da tecnologia tornamo-nos mais próximos uns dos outros. Isso, porém, não traz a segurança de que aquilo que nos chega seja verdadeiro.

Nossos mecanismos de defesa estão sempre em alerta. Isso compromete nossa paz interior.

Já, em nosso pequeno universo, caminhar, despreocupadamente, pelo parque é algo impensável. Até mesmo, em plena rua do bairro, já está inseguro.


Sair a passo...

Será que posso?

Meus olhos acompanham os passos

De quem, por todos os lados, pode interromper meu passo.

Isto é justo?

Ter que acelerar meus passos

Para escapar de um possível

Mãos ao alto?


Pode parecer exagero, mas não é.

Estamos enclausurados.

Quero acreditar, porém, que isso vai mudar.

Talvez, não estejamos muito longe desta mudança.

Sempre, é claro, com a ajuda DELE que, conforme diz parte da letra do samba CLAREOU que segue:



DEUS é maior!

Maior é DEUS e quem está com ELE

Nunca está só. 
 
O que seria do mundo sem ELE?
 
 
 
 
 
Coral Livre: Clareou (Serginho Meriti e Rodrigo Leitte)
 
 

sábado, 26 de fevereiro de 2022

COMO UMA NUVEM...


Vista ao longe, parecia diferente de tudo o que antes aquele olhar assistira. Escura demais. Talvez, aquela nuvem fosse um sinal de que um temporal se aproximava.

Mas, não! Era bem mais do que uma nuvem.

Era a visão de uma explosão recém-ocorrida sobre uma área atingida por bombas arremessadas de aviões.

Para quem nunca presenciou tais cenas, fica difícil imaginar o impacto causado sobre aqueles que assistiram, mesmo de longe, aquela intensa fumaça preta.

Para os que lá vivem, foi um sinal de alerta.

Para aqueles, que estão longe de lá, resta a perplexidade de que, embora estejamos no ano de 2022, ainda disputamos “na força bélica” o ímpeto dominador de uns sobre outros.

Temos todos a mesma origem humana, bem como o mesmo fim.

Nossas crenças religiosas acompanham-nos durante todo o tempo que por aqui estamos.

Assistir cenas de destruição, como as que nos chegam, causa-nos profunda tristeza.

Onde buscar inspiração para continuarmos esperançosos?

Talvez, as cenas que nos passam despercebidas sejam um bálsamo e um sinal para que continuemos em busca delas: a alegria e a esperança.

As primeiras palavras pronunciadas por aquele ainda bebê, o olhar alegre daquele pequeno ao ver a mãe chegando à creche para buscá-lo, a notícia, dada entre sorrisos, do pequeno e recente jogador de futebol que foi escolhido para o time da escola.

São todos momentos inesquecíveis.

Muitos, daqueles que estão sob conflito neste momento, não terão mais oportunidade para desfrutar dessas lembranças, pois, talvez, nem mais estejam entre os seus.

Como podemos nos manter alheios a cenas tão devastadoras?

Quando aquela menininha desvia da formiguinha ao andar pela calçada ou recolhe a joaninha do chão, com todo o cuidado, para colocá-la no vaso, está protegendo aquele pequeno ser da destruição.

Hoje, aquela menininha de outrora não entende como aniquilar uma cidade pode ser uma ordem a cumprir.

Todos já possuem seus territórios delimitados e suas riquezas reconhecidas.

Por que não promover negócios ou trocas?

Um convívio harmônico é o que almejam os povos que vivem neste Planeta.

Infelizmente, alguns poucos manipulam os interesses econômicos, usando-se de muitos subalternos e corruptos para lograrem êxito em suas ações deletérias.

Torçamos para que aquela nuvem densa e destruidora resulte em pingos de chuva que, somados às lágrimas dos justos, ponha fim a mais este péssimo exemplo de convívio entre nós, habitantes deste Planeta.







 

terça-feira, 22 de fevereiro de 2022

COMO UMA ONDA...


 
Que vai...

Que vem...

Que descortina, que obscurece.

Que alegra, que entristece.

Não! Não é um poema.

É um olhar que se detém desde o amanhecer até o anoitecer.

É um recôndito aviso de que estamos à mercê.

De quem? Do quê?

Ninguém sabe.

Respostas sobre “um desconhecido” são espalhadas pelo mundo afora.

Valerá a pena lê-las?

No cotidiano de Paulinha, com certeza, as ruas desertas são um alerta para quem se aventura a caminhar, mesmo conhecendo estas ruas do bairro.

Olhar para o alto, nem pensar. Pelas calçadas, por onde Paulinha passa, seu olhar acompanha, com cautela, todos os desníveis existentes. Caso contrário, cairá.

Olhar para trás? Por que não?

Afinal, nunca se sabe quem se aproxima de nós e com qual intuito.

A imaginação, porém, é pródiga em traçar cenários que se tornaram corriqueiros e perigosos.

O sentimento de fragilidade tornou-se algo perceptível e verdadeiro.

Como enfrentar um cotidiano tão incerto!

A incerteza de movimentos climáticos, do pulsar de uma Terra tão agredida, de seu solo e rios tão contaminados e de áreas cujas encostas são tão desprotegidas. Tudo isto traz uma insegurança constante aos que habitam este Planeta.

Será que tudo se resolve no apertar de um botão do tablet?

Pelo que se tem observado, ele, o tablet, nos passa a imagem da catástrofe já ocorrida.

E o antes?

A tecnologia tem que ser um auxílio a que evitemos os grandes desastres.

O céu, agora, está totalmente azul. Há pouco, esteve plúmbeo, ameaçando derramar sobre nós aquela chuva tão intensa quanto a cor azul com que somos, agora, brindados.

Paulinha quer poder sentar-se na praça, vizinha ao local onde mora, e passear seu olhar naquele céu tão inspirador. Poder ouvir o farfalhar das folhas que se espalham pelo local. Sentir o cheiro da pitangueira que existe ao fundo. Conversar com a sua vizinha, moradora de um edifício próximo ao seu.

Assim como uma onda, que vai e vem, possamos nós, também, acompanharmos com esperança cada novo instante que se aproxima.

Afinal, somos feitos de momentos desde a concepção, passando pelo nascimento, bem como até o desfecho final.

É nosso aprendizado nos mantermos atentos em todos os estágios que cumprimos neste Planeta.

Ah! Sempre defendendo o que nos aproxima uns dos outros.

E os atuais momentos são, sem dúvida, desafiadores, mas também inspiradores para que continuemos sonhando com um mundo melhor.

Para tanto, sigamos o sábio movimento das ondas: que vão e vêm no momento certo.