segunda-feira, 30 de julho de 2012





HÁ QUE TER PAIXÃO! 

Quase quatro horas de espetáculo! Parabéns a quem planejou, a quem organizou, a quem tornou realidade todos os instantes que se seguiram a partir do toque do sino inicial, sino de 27 toneladas. A começar pelo seu organizador, o diretor de cinema Daniel “Danny” Boyle, conceituado, reconhecido e laureado diretor que recebeu a estatueta pelo filme Quem Quer Ser Um Milionário?

E a Rainha? Lá permaneceu firme, do alto de seus 86 anos, reinando como sempre com sobriedade sobre seus súditos a aplaudi-la com reverência.

A evolução da sociedade britânica, desde os seus primórdios, foi contada, realisticamente, através de montagens perfeitas, com figurantes perfeitos, embora não atores, perpassando imagens de grande impacto sobre uma assistência atenta. Todas as agruras sofridas pela sociedade inglesa durante séculos, produto da Revolução Industrial, foram ali expressas. Por outro lado, toda a pujança artística e cultural de seu povo esteve presente desde o ato da abertura até o seu fechamento.

A Tempestade de Shakespeare, explorada através da fala de Caliban, onde se misturam elementos próprios do universo medieval com elementos que tem origem na reflexão histórica e social e na ciência política, próprios do Renascimento, acrescida de o Pandemônio, do Paraíso Perdido de John Milton, traçaram um roteiro inteligente ao evento como um todo. Um verdadeiro passeio pela História da Ilha com seus grandes nomes em diversas áreas de atuação e em diversos momentos históricos.

Poder-se-ia ficar a descrever, por páginas e páginas, o espetáculo de abertura dos Jogos Olímpicos de 2012. Não é esse o tema central dessa crônica. Aqui, é apenas importante como pano de fundo para o que se pretende abordar.

O que se quer é enfatizar a idade cronológica dos principais partícipes do espetáculo em questão. A começar pela Rainha, passando pelo organizador do evento, chegando a Sir Stephen “Steve” Geoffrey Redgrave, dono de 5 medalhas de ouro no remo, que foi quem carregou, correndo, por um bom trecho, a tocha olímpica até o palco do Estádio Olímpico de Stratford. Nenhum deles com menos de 50 anos. Alguns, com bem mais idade.

E como ápice da disposição, da paixão pelo que faz, assistimos Sir James Paul McCartney, do alto de seus 70 anos, cantando, com uma empolgação poucas vezes observada, sua famosa Jude. Aliás, hoje, já um patrimônio de todos, tanto os de sua época, quanto os jovens atuais.

Aqui, também em terras brasileiras, nossos ídolos de ontem ainda permanecem arrastando multidões. Muitos integrantes da Jovem Guarda, capitaneados pelo Rei Roberto Carlos, outros tantos cantores famosos da MPB, bem como nossos reconhecidos sambistas de décadas passadas, atores e atrizes conhecidíssimos, grandes humoristas e inúmeros escritores estão ainda em atividade.

O que os move? A paixão pelo que fazem: a paixão por viver. Um dos melhores exemplos é o maior arquiteto das curvas, Oscar Niemeyer que, com 104 anos de idade, aceitou o convite para elaborar o projeto arquitetônico de um grande Centro de Eventos, que nossa Porto Alegre está a merecer.

Isso se chama paixão, aquela chama que irrompe a cada amanhecer e que o mantém “vivo” e atuante pelos anos afora. Tão vivo ao ponto de aceitar o desafio de elaborar mais um projeto que, com certeza, lhe deu nova motivação nas suas atividades para os próximos meses, ou para os próximos anos.

Assim também, o criador do World Wide Web e Diretor do World Wide Web Consertium, Sir Timothy John Berners-Lee, ou simplesmente Tim Berners-Lee, físico britânico, cientista da computação e professor do MIT, responsável pela revolução Digital, iniciada ainda na década de oitenta, esteve presente na Abertura dos Jogos Olímpicos e, com certeza, também encara, com paixão, cada dia que desponta.

Aliás, a crônica do Dr. José Camargo, publicada em ZH de 21 de julho, próximo passado, bem atesta o que na realidade conta. O que importa é a lucidez, a autonomia, a determinação e o bom humor. Não seria demais acrescentar aquele ingrediente que os torna plenamente inseridos no momento em que vivem: a capacidade de atualizar-se. Na frase extraída da referida crônica, temos o exemplo do que é sentir paixão pela vida. Dona Vanda, de 89 anos, participou da cena que segue.

Aí vai:



“Quando fomos apresentados com a observação de que eu deveria operá-la, e ela sentou-se ao meu lado, elegante e perfumada, arrisquei perguntar-lhe:

-“Posso pegar na sua mão?” E ela prontamente:

-“Claro, e se eu quiser ir adiante, topas?”





Lembramos que a própria letra de Hey Jude diz a certa altura:


“Ei, Jude, comece

Você está esperando por alguém com quem realizar as coisas.

E você não sabe que é somente você?

Ei, Jude, você consegue

O movimento que você precisa está nos seus ombros

Na na na na na na na na ...





Então, pra terminar, uma pequena poesia que retrata a importância de se fazer com emoção, de se viver com paixão.


ÉS TUDO

Navegas em mim a cada dia.

Se me faltasses, perder-me-ia de mim.

Nem mais saberia por que aqui restaria,

Se já não mais contigo contasse por um dia.

Gracias por tua presença que meus atos ilumina,

Que me aquece, me conduz, me incentiva.

No entreabrir-se do amanhecer, no arrebol do entardecer,

Me seguras pela mão e plantas um novo sonho a cada anoitecer.

Com nova plumagem a cada raiar do dia,

Sinto-me capaz de novamente, e de novo, recomeçar.

E a cada nova ação, abro a caixa cheia de ti.

E renovo contigo meu estoque deste fazer com emoção.

Obrigada, PAIXÃO!






 

Roberto Carlos em Jerusalém – abertura

 
Chico Buarque de Holanda – Voltei a Cantar, Mambembe e Dura na Queda (Carioca ao Vivo)
 
 

 

 
Gilberto Gil – Pela Internet

 
Reportagens:














 

segunda-feira, 16 de julho de 2012











TEU MELHOR AMIGO


Faça um pacto com ele. Que ele o livre de conchavos, de “mestres”, de “camaradas” e suas “maracutaias”. E tu lhe serás eternamente grato. Ele, na verdade, deve ser tua sombra. Aqueles outros de infância, talvez se percam pelo tempo afora. E os que forem chegando nem sempre terão raízes firmes o suficiente. Alguns, num primeiro vendaval, serão levados pela correnteza sem explicação alguma. Outros ficarão presos por tênue filamento, esperando o momento em que também se desprenderão. 



Haverá aquele que jurará ser o teu melhor amigo pra sempre, além de ser teu parceiro, mas que, também, um dia, talvez desapareça. 



Há outros, aqueles que te deram a vida, teus amigos confiáveis, que, um dia, partirão inevitavelmente. E como tu ficarás? 

Como todos ficam: ainda teimosamente investindo em outros “amigos” que restarão. Queiramos ou não somos seres gregários e isso é um passo para que uma amizade aconteça. E é bom quando ela permanece pelos tempos afora. Mas nada nos garante que ela se sustentará. 

Talvez caiba a ti tornar-te aberto a todo sinal de aproximação, a qualquer momento, pois daí poderá surgir um amigo. Nunca esquecendo que um amigo se constrói com atenção, empatia, apoio, solidariedade, incentivo e por aí vai. É difícil? É dificílimo. Nada que envolva relações entre seres humanos é de fácil construção. Acredita-se, porém, que valha a pena. 

Não àqueles a quem se chama de “mui amigo”. Cuidado, esses existem para atrapalhar a sombra que te acompanha. Essa, sim, teu verdadeiro amigo. 

Aquele amigo que faz parte da tua essência, aquele que se diverte sozinho contigo, que se sente feliz pela tua presença, embora em solidão estejas. Aquele que dialoga contigo e nessa comunhão visceral até passa o mate pra ti. 

Esse amigo deve ser cultivado. Que é aquele que melhor nos entende, porque somos nós mesmos. 

Aos outros todos, aos que persistem nessa tão delicada parceria, os nossos cumprimentos nesse Dia do Amigo. Quem os tem que os guarde no lado esquerdo do peito, como diz a canção. 








Canção da América – Milton Nascimento 







Comentário via Facebook:
_______________________________________________________________


Vanya Caloy comentou seu link.
Vanya escreveu: "Lindo querida. Adorei, principalmente por ser teu! saudades de vc"











domingo, 8 de julho de 2012










ÁGORA!
              VOLTASTE?


Quanto tempo se passou... Séculos, na verdade, passaram-se. Mas ela está de volta. 


Parece menor em tamanho do que a original. Só parece... Aliás, como tudo hoje em dia. Na verdade, ela comporta milhões de pessoas num espaço restrito de um estúdio de televisão. É a nova Ágora: mais moderna, mais atrativa, mais glamorosa. E todos dela querem participar. Nem bem interessa o que se está a falar, muito menos a discutir, num sentido mais profundo, pois envolve uma certa reflexão, um negócio meio demorado para os dias atuais. 

Mas a Ágora atual está feliz. Nunca teve tanta gente envolvida dentro desse seu espaço virtual, com ela interagindo. É claro que está tentando se adaptar aos dias atuais. 

E o que dizer dos milhões que estão a participar desse evento. Estão também eles surpresos, perplexos, desnorteados com tantas perguntas, tantas indagações, tantos questionamentos, tantas dúvidas. Nunca viram tal coisa! 

Os mais antigos não se surpreendem tanto porque aprenderam as noções básicas do refletir, do questionar e do que se pretende com esse exercício. E aqui passa longe a ideia de subestimar a capacidade reflexiva desses milhões. É que isso, na verdade, deve começar já na escola, nas aulas de Filosofia. Sim, nas aulas de Filosofia. Ah! Isso não existe mais. 

Mas a Ágora voltou. Com ela, seus perplexos participantes e seu condutor. Esse, um verdadeiro acelerador de massas, isto é, das partículas que compõem as massas. Claro que não com tanta sabedoria quanto seus ancestrais. Mas com uma verve invejável. 

Então, como dizia o samba: 

“Mora na filosofia, pra que rimar amor e dor”. 

Ou, ainda, pelas palavras de José Abelardo Barbosa de Medeiros, vulgo Chacrinha, o “velho guerreiro”: 

“Quem não se comunica, se trumbica”. 

“Eu vim pra confundir, não pra explicar”. 

“Na TV nada se cria, tudo se copia”. 



Pois há que se observar, refletir e direcionar as perguntas e, se possível, as respostas, também. Na real, quem está interessado nas antigas práticas dos tais ditos valores morais, éticos ou outros que tais? 

Na verdade, está tudo mais para o Samba do Crioulo Doido. 

Ah! Lembra da lâmpada de Diógenes? Não lembra? Não precisa, porque, depois que a personagem do Zorra Total descobriu a lanterna, ela virou uma pessoa iluminada. Hoje, ela é outra pessoa. 

E o Diógenes? Com certeza, a dificuldade para encontrar o que procurava à época seria, hoje, muito maior do que naqueles antigos tempos. 

E a Ágora? Também é outra. Está mais para o aqui e o agora. O clique de um celular registra a Ágora em qualquer lugar. Aliás, ela é qualquer lugar. 

Agora, sabem o que é Ágora? Não? 

Acessem o Professor Google. Ele é, atualmente, o mestre dos mestres. Pra que outros mestres? Esse aí de cima é bem mais barato. Talvez não muito confiável, porém, seguramente, adorado por todos. Principalmente por quem o manipula. Acredita-se que aqueles que, antigamente, expunham suas idéias na Ágora, não se conformariam com esse verdadeiro circo de arrabalde. Estariam eles mais para o Cirque Du Soleil. Ou não? 

Sei lá... 

Quanto à atual Ágora, esperemos... 

Quanto ao título, segundo Antônio Houaiss, NA MORAL significa capacidade de se impor, de influenciar ou ter ascendência, hegemonia sobre outrem. E dá uma frase como exemplo: 

“Foi lá e conseguiu”. 

Esperemos também esse resultado. Tudo, é claro, dentro das melhores intenções. 

É o que se imagina.




Samba do Crioulo Doido
Composição de Sérgio Marcos Rangel Porto
Pseudônimo: Stanislaw Ponte Preta
Sucesso do Grupo Demônios da Garoa 







quarta-feira, 4 de julho de 2012









 
RS +25
OH, GAIA! HAVERÁ SAÍDA?

Já imaginaste deslizar pelas águas do Arroio Dilúvio, em plena Avenida Ipiranga? Barcos circulando desde a nascente do Arroio até o seu encontro com as águas do lago Guaíba? Não te agradaria este passeio turístico? Em plena tarde, com o famoso pôr do sol a te conduzir por mansas águas até desaguar em teu rosto os últimos raios do astro rei? Que tal essa imagem? Poética demais? Não. Plenamente possível, é a resposta. 
 
Seria tão difícil para nós, porto-alegrenses, levarmos essa ideia adiante? Como ela acrescentaria dividendos ao nosso bem-estar, ao nosso meio ambiente, à qualidade da nossa água, ao nosso potencial turístico. 

O que temos a fazer? Arregaçar as mangas e começar pela conscientização da população com relação à necessidade do destino correto do lixo, de uma preocupação com o uso correto da água. Paralelamente, exigirmos do Município de Porto Alegre uma ação mais combativa da que vem sendo apresentada, com relação ao tratamento do esgoto cloacal e à recuperação do nosso Guaíba. 

O nosso ambientalista, reconhecido internacionalmente, José Lutzenberger criou a Fundação Gaia há 25 anos. Antes mesmo dessa iniciativa, tivemos a criação da AGAPAN, em 27 de abril de 1971. A Associação Gaúcha de Proteção ao Ambiente Natural foi a primeira entidade ecológica da América Latina e uma das primeiras em nível mundial. Já são 41 anos de lutas pela preservação do meio ambiente, numa clara visão em defesa de uma nova forma de desenvolvimento. 
 
Aliás, o nome Gaia era usado pelos antigos gregos ao se referirem à nossa mãe Terra. 
 
Então, o que dizer de nossa Gaia? Ela que está ligada de forma indissociável a todos nós. Aliás, nós somos, na verdade, a própria Gaia. O que estamos fazendo com nós próprios? 
 
Seria muita burrice se nos colocássemos em dissonância com Gaia, tendo ao nosso alcance, pelo que já se sabe, toda uma tecnologia funcionando em termos planetários. Por que não nos tornarmos a massa cinzenta do cérebro de Gaia, conforme discorria Lutzenberger sobre o tema? 





Portanto, podemos começar pelos nossos mananciais de água, puros em suas nascentes, como a do nosso Arroio Dilúvio. Que suas águas, em seu trajeto até a foz, possam ir sendo preservadas do esgoto ali despejado, do lixo depositado em seu percurso. É urgente um saneamento básico mais abrangente, um tratamento efetivo da água que se bebe, coleta e reprocessamento do lixo diário e um olhar diuturno mais atento à conscientização dos problemas ambientais via educação. Não é possível pagar-se por uma água, que se têm restrições ao consumi-la, e gastar-se na compra de garrafões de água mineral oriunda de fontes que nem se sabe, também, se livres de resíduos prejudiciais à saúde. A comunidade científica já questiona o grau de potabilidade da água do Guaíba, considerando-se a relativa eficácia dos produtos utilizados para a sua descontaminação. 

Particularmente, acredito mais num movimento RS + 25, que acrescenta mais 25 anos à Fundação Gaia, na luta pelo desenvolvimento sustentável, do que na Rio + 20 com seus créditos de carbono tão aplaudidos. Há quem se posicione sobre esses tais créditos comparando-os com o ato de matar. 

Há quem diga que é como se permitíssemos o ato de matar, e que o homicida, depois, pagasse uma fiança para ficar imune a qualquer processo. Quanto mais monstruoso o crime, maior seria a conta a pagar em dinheiro. Então, quanto mais poluição for detectada, maior o valor a ser indenizado. Não esqueçamos, porém, que isso não serve à natureza, mas sim ao homem, que apenas se preocupa com o vil metal. Muitos danos ambientais levarão séculos para serem revertidos. 

Por outro lado, há já, inclusive, investigações, que tramitam na Polícia Federal, acerca de fraudes na venda de créditos ambientais da Mata Atlântica em São Paulo. O que evidencia que tais créditos estão alimentando o novíssimo, rico e especulativo mercado de créditos de carbono. 

Na verdade, o que se tem de buscar são fontes de energia mais limpas. Para isso, precisa-se de pesquisa, excelência nos quadros acadêmicos, verba direcionada para experiências e, é claro, uma educação ambiental desde as primeiras letras. Tudo isso somado a muita conscientização, prevalência de valores morais, ética e comprometimento de toda a sociedade com metas definidas, que se estenderão ao longo do tempo necessário, independentemente de cores partidárias. E o caminho a trilhar deverá ser mantido com foco, determinação e disciplina, ingredientes imprescindíveis para qualquer ação humana que se pretenda exitosa. 

Se soubermos aproveitar os próximos anos, poderemos implementar medidas ambientais, em termos de solo, água e ar, que comecem, efetivamente, a reverter o quadro devastador que se avizinha. 

Considerando entidades como a AGAPAN, inúmeras outras associações espalhadas pelos diversos municípios gaúchos, centros de estudos, institutos, com o apoio da Fundação Gaia e, ainda, da Assembleia Permanente das Entidades em Defesa do Meio Ambiente (APEDeMA/RS), é de se ter esperança numa mudança nos padrões de sustentabilidade no nosso Estado. 

Cobremos das autoridades estaduais um maior empenho e uma atitude mais resolutiva no enfrentamento da questão ambiental, principalmente na fiscalização das indústrias poluidoras. Deverão essas dispor de mecanismos despoluidores dos seus dejetos ou o reprocessamento dos resíduos jogados, hoje, livremente nas águas que compõem a Bacia Hidrográfica do Guaíba. 

Há que se investir mais no tratamento da água que se está a consumir em Porto Alegre. Para isso, acredita-se que haja pessoal técnico capaz de fazer uso de modernas tecnologias no manejo da água. Portanto, esse investimento é uma das prioridades de qualquer governo que se instale. 

Não percamos a esperança. 

Gaia, nossa Terra, nosso Planeta Água deve sobreviver. Talvez, não exatamente como nós a conhecemos hoje. 

O problema maior somos nós, pobres mortais! 

Trabalhemos para reverter o quadro e... rezemos. 

Sabe como é, uma ajudazinha do CÉREBRO, que está bem além de Gaia, sempre é bem-vinda. 
Aliás, para descontrair, corroborando o que foi dito acima sobre a água, vejamos o que imagina Martha Medeiros na última crônica, “Afogando-se num pires”, publicada no jornal Zero Hora de 01/07/12, e que vem confirmar a ideia, já incorporada, da necessidade de comprar-se água, dispensando, dessa maneira, aquela fornecida pelo DMAE. Atentem para o trecho extraído da referida crônica: 

“Se a última garrafa d’água da casa foi aberta, não custa passar num mercadinho e renovar o estoque pra não ser surpreendida por uma sede absurda no meio da noite.” 

Pode? 

Pode, sim. Urge que se tomem medidas drásticas contra essa possibilidade cada vez mais constante e preocupante.






Planeta Água – Guilherme Arantes 

Arroio Dilúvio  - como despoluir? Veja como a Coreia do Sul despoluiu seu arroio

Bacia Arroio Dilúvio – Um Futuro Possível - PUC/UFRGS

Arroio Dilúvio (Passado, Presente e Futuro) 



Lutzenberger – Forever Gaia – filme 



 
Notícias:

- Créditos de carbono: os oportunistas em ação 

- Créditos de carbono: negócios privados garantidos por terras da União




Jornal Zero Hora 10/09/2012


 

Parabéns ao Governo Municipal pelo enfrentamento de questão tão importante à saúde da comunidade porto-alegrense.
 
Jornal Zero Hora 10/11/2012



Intervenção Cultural ocorrida em 21 de março de 2014,sobre o Arroio Dilúvio – Projeto Ecopoética


 

------------------------------------------------------------------------------------------
Comentário via e-mail:
Prezada Sra. Sonia,

muito obrigado pela sua mensagem. É muito bacana saber que nosso trabalho é bem acolhido e que se constitui de mais um elemento mobilizador em prol da construção de uma sociedade humana mais consciente de seu protagonismo na sustentabilidade planetária.

Apenas para esclarecimento, a Fundação e o Rincão Gaia são a mesma entidade. O Rincão é a sede da Fundação e está localizado próximo à Pantano Grande - RS.

Votos de continuado sucesso para a Sra e todos nós!

Lara Lutzenberger
Presidente
Fundação Gaia - Legado Lutzenberger