sábado, 12 de novembro de 2016

UMA HOMENAGEM ÀQUELE QUE IMITA A VIDA...










Logo estarei de volta ao lar antigo. Trouxeram-me para passear.

Alimento-me dos olhares e de quando me pegam, me tocam.

Gosto mesmo é de quando me levam, pois troco de lar. O que, aliás, é o de que mais gosto.

Enquanto não volto ao lar antigo, vou curtindo o sol bem de perto e a lua quando, por acaso, está iluminando a praça, como nesses dias de Super Lua.

Todos os anos, saio para passear. É uma vez ao ano, são apenas alguns dias, mas vale a pena aguardar tanto tempo. Fico muito bem instalado numa barraca. Acordo ao som dos pássaros, o que é uma bênção. Não que a casa, onde me encontro o resto do ano, seja ruim. Lá, também, sou bem tratado. Na verdade, é onde reflito e concluo que meu nascimento é muito parecido com o daquele de cujas mãos nasço para o mundo.

Tenho, também, um tempo para vir ao mundo. Às vezes, nasço de forma rápida. Em outras, levo até bastante tempo. Muitas vezes, desistem de mim e tenho que penar uma dupla frustração: a minha e a do meu criador.

Agora, quando venho ao mundo, sou pura alegria. Também, em dose dupla. Represento o produto lapidado e muito amado de meu mestre: aquele que acreditou na materialização de um sonho, de um desejo e até mesmo de um projeto de vida.

Saio daquelas mãos calorosas para o mundo. Sou porta-voz das emoções, dos sentimentos, dos reveses e aflições, das alegrias e louvores de quem acreditou que eu poderia, materializado, tornar-me uma extensão daquele ser criador. Coloco-me na condição de um descendente daquele ser que me criou. E nessa condição, saio pelo mundo.

E vou conquistando olhares, afagos, comentários.

Dependendo dos locais onde me encontro, minha exposição é mais visível, mais próxima, mais livre, mais face a face com quem me olha.

Por isso, adoro este passeio anual pela praça que me acolheu tão bem desde o início desta minha peregrinação pela cidade. E já são mais de sessenta anos.

De lá, posso voltar para o lugar de onde saí ou ir para outro lugar desconhecido, mas já, de antemão, desejado por mim. Tenho certeza que isto, também, é o que mais deseja meu mestre/criador.

Posso ser motivo para a oferta de um presente. Às vezes, isto me deixa apreensivo, porque já aconteceu de me jogarem num canto, ficando eu ali: abandonado.

Na maior parte das vezes, porém, sou afagado, folheado com todo o cuidado e colocado em um lugar seguro, para que eu me conserve por muitos e muitos anos. Fico eu ali para o desfrute de quem me quiser afagar.

Agora, o meu tempo de vida é insuperavelmente maior do que a do meu criador.

Não tenho tempo para acabar. Aliás, posso nunca acabar. Tenho esta vantagem em relação ao meu criador. O que, de certa forma, é uma bênção para mim, mas, também, para quem me criou.

Aquela reflexão que me gerou, aquelas ideias que me tornaram algo importante, que me transformaram num portador de possibilidades, de soluções, de conceitos, de descobertas, de plasticidade nas imagens, quando assim também me adornaram, de emoções confundindo-se com a razão pura, de sonhos, tudo aquilo que leva às gerações futuras um conhecimento do acervo inestimável de culturas as mais diversas e remotas: isto tudo sou eu. Ao fim e ao cabo, somos eu e meu criador peças importantes no processo civilizatório da humanidade.

Tenho a pretensão de ser um imitador da vida.

Nasço para ela depois de algum tempo.

Dependo, nos meus primeiros passos, de alguém que me cuide. Desejo que me olhem e me afaguem: que me queiram próximo. Posso expressar um conjunto de muitos sentimentos. Transmito muitas ideias, muitas possibilidades. Por isso, posso ser fonte do aparecimento de outros seres semelhantes que a mim se juntarão nesta diversidade de assuntos e paixões.

Confesso que tenho a autoestima elevada, pois tenho a convicção de que sempre terei alguém interessado em mim. Mesmo quando eu estiver atirado num meio-fio de calçada, alguém, que também lá estiver, pousará os olhos curiosos em mim e trará para junto daquele cobertor surrado e sujo o meu corpo feito por páginas e páginas, já meio desgastadas, mas ainda plenas de palavras e, também, muitas vezes, de imagens.

E isto foi exatamente o que meu mestre/escritor encontrou em uma rua de seu bairro.

E o corpo era um livro infantil: Alice no País das Maravilhas.

Com certeza, sua leitura serviu àquele morador de rua, nem que por um tempo curto, de alento para os sonhos daquela noite que já se iniciava. De um mundo subterrâneo, que tão bem conhece, para um País das Maravilhas que ainda espera que exista: um sonho com o qual adormece.


Agora, devo confessar que me sinto profundamente frustrado quando chega aos meus ouvidos a notícia de que tiveram contato comigo, mas nem percebi, não soube, não senti. Sou tomado por uma sensação de vazio. E se eu for jogado às nuvens? E se eu por lá permanecer para sempre? A tela fria é algo que me tem incomodado.

Nem quero mais falar disto. Fui!


Estou voltando para a praça. Afinal, esta foi apenas uma pequena digressão que me permito uma vez ao ano.

O tempo urge e tenho que aproveitar os últimos dias para me expor, para me fazer amar: para encantar.



E só para corroborar minha tese, de que possuo corpo e alma, leiam estes três pensamentos de Mário Quintana, publicados no Livro “Caderno H”, Editora Objetiva, 2013.








Ou, ainda:




Eu acrescentaria que, quando te faço sonhar ou mesmo chorar, estou expondo a minha alma, que se confunde com a do meu criador, e que reverbera na tua, leitor.

Cuidado, porém! Por ter herdado tanto do meu autor, lá pelas tantas, posso escorregar pelo lado sombrio da mentira. Nesse caso, estarei isento de culpa, pois, afinal, sou um imitador da vida...

Aliás, segundo afirmação do filósofo e escritor alemão Johann Gottfried Von Herder, nascido no século XVIII (1744-1803):

“Muitas vezes, um livro forma ou arruína um homem, por toda a vida”.

Agora, para mais ainda confirmar a minha importância, o nosso grande poeta Castro Alves, cujo legado encontra-se reunido no Livro Espumas Flutuantes, composto por 54 poemas, credita a mim, livro, uma importância relevante. Para tanto, o poeta faz uma exortação a todos aqueles que semeiam livros, quando saltam de sua pena os versos que compõem a 8ª estrofe do poema O LIVRO E A AMÉRICA, composto por 10 estrofes:




Como última reflexão, acredito que, imitando a vida, também tenho o poder de transformá-la, pois ela é mutável e feita de pessoas. E eu, livro, posso mudar uma pessoa. E pode ser para melhor... Por que não? 






A Leitura na Vida! 









Nenhum comentário: