domingo, 2 de junho de 2019

UMA NOTÍCIA A SER FESTEJADA














O que é melhor do que uma parede? Uma janela nesta parede. Que se possa abri-la e apreciar o céu que se estende até não sei onde. Não importa saber até onde irá. Importa saber até onde a nossa imaginação nos levará.

O tempo e o espaço dessa peregrinação é o que menos importa.

Importa é a criação mental que se pode fazer com ela.

Um poeta, um filósofo e um cientista estão mais próximos do que se pode imaginar. Lidam com pensamentos aparentemente colidentes, mas, que no fundo, são produtos de um ser humano imperfeito e, portanto, incapaz de entender o mundo em sua plenitude.

A busca incessante, que os unem, é o que de melhor tem o ser humano para oferecer a si e ao outro, seu semelhante e parceiro nesta caminhada planetária. Entender quem somos, de onde viemos, onde estamos e para onde iremos são perguntas que consomem os dias destes pensadores.

Dessa forma diferenciada, foi que o brasileiro Marcelo Gleiser, professor de Física e Astronomia e pesquisador da Dartmouth College em Hanover, no estado de New Hampshire, Estados Unidos, ministrando a disciplina de “Física para Poetas”, notabilizou-se, tornando-se o primeiro latino-americano a ser agraciado, em março deste ano de 2019, com o Prêmio Templeton, reconhecido, informalmente, como o Nobel da Espiritualidade.

Um físico brasileiro, pesquisador e professor titular de Física e Astronomia em uma faculdade nos Estados Unidos, com um extenso currículo de atividades e trabalhos publicados, a nós, brasileiros, é uma honra tê-lo como referência internacional, sendo ele, inclusive, membro e ex-conselheiro geral da American Physical Society.

Sua posição acerca da ciência dá a exata medida da importância do seu objeto de trabalho, quando diz:

“A ciência é obviamente nosso melhor modo de se explorar e entender o mundo, mas não é o único, e nem é ilimitado”.

Gleiser torna-se diferenciado na medida em que propõe uma visão de que ciência, filosofia e espiritualidade podem e devem ser expressões que se complementam, para que nós, humanos, entendamos o Universo, a vida e seus propósitos.

Reconhece que, atualmente, os próprios cientistas carregam mais dúvidas do que conhecimento. Portanto, uma abordagem pluralista, entre as várias áreas do conhecimento, sempre será eficaz para a busca de respostas diante do ainda desconhecido Universo. Segundo palavras suas:

“Nós conhecemos o mundo por causa de nossos instrumentos. O problema é que toda máquina tem uma precisão limitada. É impossível criar uma teoria final porque nunca vamos saber tudo. Temos de aprender a ser humildes com relação a nosso conhecimento de mundo, que sempre será limitado”.

A notícia deste prêmio deve ser festejada por nós, brasileiros. Em meio a tantas notícias negativas, que nos deixam descrentes dos rumos a seguir, os esforços de brasileiros, que lutam por aqui e se destacam além-mar, são um incentivo a que sigamos sentindo orgulho de nossa identidade.

Que nossas janelas abertas permitam não apenas que nossos olhos passeiem pelo céu que se descortina, mas, principalmente, se vislumbre a possibilidade real de sermos, novamente, um povo motivado, empreendedor, onde a Educação seja prioridade.

E, claro, detentor daquilo que alavanca um país: a ORDEM.

Daí, o PROGRESSO será uma consequência.

Pois, riquezas não nos faltam.

Ah! Sobre o tempo? Ainda dá tempo para que esta possibilidade se confirme.













Nenhum comentário: