quarta-feira, 20 de fevereiro de 2019

ERA APENAS UM INTERVALO...


E os intervalos acompanham nossa caminhada dia e noite. Sejam eles relativos a espaços, que nos separam de algum lugar, ou a intervalos de tempo que medeiam entre dois momentos. Estamos presos a eles de forma inexorável. Eles podem ser rápidos, longos ou eternos.

Um tempo de nove meses para um abrir-se para a vida. Um antes, no aconchego do ventre materno; outro, depois, já no colo macio daquela que nos gerou. Um intervalo de tempo muito aguardado, acredito eu, pelos seres envolvidos neste ato criador. Intercalam-se aqui tempo e espaço. Acho mesmo que andam de braços dados. São inseparáveis.

Quando a mãozinha, tempos depois, dá um tchau da janela daquela van escolar, ainda assim temos a figura do espaço e tempo a nos conduzir. Tempo para ir e voltar da escolinha. Este pequeno ser já convive com um novo espaço, onde descobrirá um universo diferente do seu habitual. Já consciente, também, do tempo que terá que aguardar para chegar o intervalo. Ele sempre tão aguardado, pois será o tempo das brincadeiras no pátio. Os intervalos já merecerão sua atenção. Tempos e espaços que farão parte dos intervalos que se somarão ao longo da sua caminhada. Espaços que se modificarão, tempos que se somarão, mas que, ambos, estarão garantidos durante a sua jornada como ser humano.

Aos poucos, aprenderá que aquele intervalo de tempo, antes do anoitecer, possibilita que seus olhos iluminem-se com um sol se pondo no horizonte. Ou, que aquele espaço junto à escola poderá, no final das aulas, ser seu lugar de sonhos ao ocupar a quadra de esportes, batendo uma bola com os colegas.

Tempo e espaço juntos fazendo uma parceria que pode ser criativa e solo fértil para a concretização de sonhos. Tudo fluindo de forma suave, previamente elaborada e ajustada para aquele momento.

O problema é quando há a interrupção abrupta deste tempo e espaço. Um intervalo cujo resultado não seria o esperado.

Isto ocorre quando o infortúnio entra porta adentro: sem bater, sem pedir licença. Ou quando este intervalo não renasce num novo tempo e num novo espaço, por conta de uma tragédia por absoluta incúria e irresponsabilidade.

Um intervalo cujas mãos foram causadoras de sua permanência eterna. Orientações errôneas, vistorias e avaliações não consideradas, laudos descumpridos, todos esses elementos podem ser a causa deste intervalo que se tornou eterno.

Menos Justiça, menos Informação, menos Sonhos: este é o resultado de três tragédias que comoveram a nação brasileira.

O Monólogo das Mãos, de Michel Montaigne, recitado por Bibi Ferreira, afirma que elas, as mãos, podem servir para o bem ou para o mal.

Para Bibi, no alto de seus 96 anos, esta eternização do intervalo era previsível. Nem por isto deixa de ser uma perda. E que perda!

Acredito, porém, que seus sonhos foram realizados.

Diferentemente dos meninos cujo intervalo era para dormirem e sonharem.

Não acordaram, porém. E era apenas para ser um intervalo...






Monólogo das Mãos - Bibi Ferreira





Nenhum comentário: